segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Nude

Rasgam-se a roupa que fingiu ser sua coberta.
Aberta agora num caminho que não lhe cabe,
Segue a antiga criança que brinca seus jogos já entregues ao marasmo.

Tira-se o afago que a consumia,
E segue inquieta na vida desconhecida.
Se dissipando dos rostos vazios em fronte,
Reza pela a sorte que a vinde.

Nada se segue no movimento inerte.
E de sombras e partes vai se juntando em um monte,
clamando a caridade dos fortes.

4 comentários:

  1. quando te expoe antes do seu tempo, é pior ainda

    ResponderExcluir
  2. Tira-se o afago que a consumia,
    E segue inquieta na vida desconhecida.
    Se dissipando dos rostos vazios em fronte,
    Reza pela a sorte que a vinde.

    Seguir por onde nao sabemos aonde vai dar.. muitos riscos... sem afagos e sem apoios... muito facil de se perder e a sorte virar azar... gostei mt.. real demais

    ResponderExcluir
  3. pois é.. a gente caminha e nossa vida continua a mesma..

    ResponderExcluir