sexta-feira, 12 de março de 2010

Meu. Seu.

Polpa.
Na vida se tira a casca.
Lampejo de ideias mal formuladas aumentam as sementes.
Mas o que quero dizer?
O que queremos fazer?
Na vida da-se um jeito... já dizia os sábios que limparam nossa sujeira!
Toda a esperteza vem dos simples.
Pra que me serve um Aurélio se o João-sem-braço sorri diferente?
A fumaça se esvai em desejo.. entra pelo seu pulmão e te destroi, por um simples tesão e gesto.
Ou seria um gesto de tesão?
Os olhos se cruzam, os sorrisos se trocam.. a língua anseia a outra.
Sim!
Línguas sedentas de cuspe, essa é a verdade!
O que é sobre-humano, vira-se gozo...
Retornai aos braços de quem nunca te abraçou.
Beijai os seios nus que nunca afagou.

Rezai pela alma que nunca te pertencerá, pois agora, ocupada está.

Nenhum comentário:

Postar um comentário