terça-feira, 31 de agosto de 2010

Felicis Homo

Reze querida, sonhe pelos justos.
Porque nos perdemos em nossos pensamentos sujos.
Nosso desigual fere os sentidos alheios.
Não queremos o que é errado, não precisamos pedir licença para ter o mundo em nossas mãos.
Nós vemos, sentimos, mas não temos.
Nos querem roubar a vida a nossa volta. Mas nós construimos a vida e assubiamos aos risos para nossos perseguidores.
Prenda-me em seu sorrisso, arraste-me com seus olhos.
Tenha-me, terna, doce, sua.
Agora.

Um comentário: